Aplicativo usa reconhecimento facial para identificar políticos com problemas na Justiça

O slogan do aplicativo criado pelo portal Reclame Aqui não podia ser mais claro: 'Quando eles derem as caras, nós vamos tirar suas máscaras'

    • ACidadeON/Ribeirao
    • José Manuel Lourenço


Foto ilustrativa (Foto: Weber Sian / A Cidade)

 

Em tempos de Lava Jato, "Fora Temer" e nostalgia verde cáqui, a prática da política é uma arte que deixa o brasileiro cada vez mais desconfiado. E com a aproximação das eleições para presidente da República, governadores, senadores e deputados federais e estaduais, o brasileiro tem várias opções para conhecer melhor os candidatos que concorrem a esses cargos em 2018.  

No mês passado, o portal Reclame Aqui lançou um aplicativo para telefones celulares que permite aos eleitores checar se os seus candidatos têm ou não a ficha limpa.  

A novidade do aplicativo é que o programa usa a tecnologia de reconhecimento facial para identificar o candidato e saber se ele tem algum problema com a Justiça. Seu slogan do não podia ser mais claro: "Quando eles derem as caras, nós vamos tirar suas máscaras".

Corrupção  

O programa chama-se "Detector de Corrupção". Funciona em celulares equipados com os sistemas operacionais Android ou iOS e pode ser baixado gratuitamente nas respectivas lojas (Play Store e Apple Store).  

O dedo-duro digital funciona com fotos "ao vivo" (que o usuário tenha tirado do próprio político) de comícios e debates ou com o rosto do candidato presente em comerciais de TV, santinhos, cartazes e anúncios de mídias impressas.  

Os alvos do "Detector de Corrupção", por enquanto, limitam-se a políticos que ocupem ou tenham ocupado os cargos de presidente da República, senador e deputado federal. Ainda não há previsão de quando o reconhecimento facial chegará a deputados estaduais e vereadores.

Outros aplicativos  

Além do "Detector de Corrupção", a Internet tem vários aplicativos que podem tornar o cidadão melhor informado em relação aos ocupantes de cargos públicos ou, até mesmo, em relação ao próprio sistema político. Um deles é o "Monitora, Brasil!", que tem como foco acompanhar o trabalho do Congresso Nacional e descobrir até que ponto vai a coerência entre o que o político fala e o que faz.  

O foco do "Politize" é outro: educação política. Ali, você pode saber quais são as atribuições de cada cargo político, as suas limitações ou o que é um projeto de lei. 

Sniff Brasil  

O aplicativo é uma espécie de rede social voltada exclusivamente para a política. Depois de baixar o programa (disponível tanto para em dispositivos Android como iOS), escolha o político ou políticos que deseja seguir e o aplicativo monta um feed de notícias com tudo o que estiver relacionado aos selecionados. 

Políticos na sua mão  

Nas imagens acima, capturas de tela de aplicativos que auxiliam o cidadão a conhecer e controlar as ações de seus representantes políticos. Na foto superior, à esquerda, o Politize, ferramenta que trabalha com educação política e informa o usuário sobre características do sistema político brasileiro; ao lado, tela inicial do Detector de Corrupção, que faz o reconhecimento facial de políticos e mostra se estão com problemas na Justiça. Por fim, acima, captura de tela do site Monitora, Brasil!, que acompanha as atividades de deputados federais e senadores.  

Site Operação Serenata de Amor foi criado por Eduardo Cuducos (Foto: Marcos Santos / DIVULGAÇÃO USP Imagens)

Serenata de amor 

A grande estrela virtual brasileira de combate à corrupção tem nome de chocolate, mas, na verdade, é um projeto de tecnologia que usa inteligência artificial para fiscalizar contas públicas e, ao mesmo tempo, auxiliar no controle social. O projeto foi criado em março de 2016 pelo cientista de dados, Irio Musskopf, o sociólogo Eduardo Cuducos (foto) e o empreendedor Felipe Cabral.  

O foco dos trabalhos da Operação Serenata de Amor é a Cota para Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap), recurso financeiro mensal de até R$ 45 mil que cada deputado federal recebe para custear despesas com alimentação, transporte, hospedagem e até despesas com cultura e assinaturas de TV. Quem verifica todas essas informações é a Rosie, um software que usa inteligência artificial para analisar dados públicos e privados, tornados públicos por empresas como Google, por exemplo, para observar gastos que fogem a um padrão, como, por exemplo, despesas muito altas com alimentação. Um dos casos descobertos pela Operação Serenata de Amor envolveu despesas com esse item por um deputado federal que declarou refeições em diversos estados brasileiros, todas no mesmo dia. 

Crowdfunding  

O projeto Operação Serenata de Amor é financiado por campanha de arrecadação de recursos via crowdfunding ou financiamento coletivo. A base do sistema são plataformas colaborativas on-line - no caso do Serenata do Amor é o Catarse - onde quem estiver interessado em doar pode fazê-lo escolhendo determinadas quantias. A sustentação do Serenata de Amor é feito não por uma, mas por várias campanhas de arrecadação de fundos. Todas elas, até agora, superaram as metas propostas pelos organizadores do projeto. 


0 Comentário(s)