Wagner Rodrigues pede perdão judicial a juiz da Sevandija

Defesa do sindicalista aponta que sua delação premiada foi essencial para desmantelar o caso envolvendo Dárcy

    • ACidadeON/Ribeirao
    • Cristiano Pavini

Perdão: O ex-presidente do Sindicato dos Servidores, Wagner Rodrigues (foto: Mastrangelo Reino / A Cidade - 21.jun.2016)
 
Esta reportagem tem a garantia de apuração ACidade ON.  
Diga não às fake news!

Autor da mais polêmica das delações premiadas da Operação Sevandija, Wagner Rodrigues formalizou ontem (16) pedido de perdão judicial ao juiz Lúcio Ferreira, da 4ª Vara Criminal. Inicialmente, ele ocultou o total de propina recebida de Zuely Librandi e é chamado de mentiroso pelos demais réus.  

O advogado Daniel Rondi cita, na petição, que o ex-presidente do Sindicato dos Servidores assinou a colaboração premiada apenas cinco dias após a deflagração da Sevandija, "prestando informações de suma relevância e essenciais para o desbaratamento de crimes de alta complexidade, mesmo tendo sua vida "colocada em risco".  

Com base na delação de Wagner a investigação foi ampliada. Até então, a Sevandija considerava que Zuely havia sido extorquida por Marco Antonio e Dárcy Vera para a Prefeitura liberar as parcelas mensais dos honorários.
Depois, o Gaeco passou a apurar o acordo prévio de propina entre a advogada e agentes políticos.  

Foi Wagner quem apontou a existência da "lista da propina", encontrada no escritório do advogado Sandro Rovani, com a suposta divisão de dinheiro dos honorários. Nela, consta que Dárcy Vera receberia R$ 7 milhões.  

No acordo de delação premiada, formalizado com o Gaeco em outubro de 2016, ficou acordado que, independente da condenação que Wagner receba, a pena será cumprida em regime aberto (prisão domiciliar) e não seria alvo de prisão preventiva.  

Agora, a defesa do ex-sindicalista pede que a pena seja extinta. A Lei Federal 12.850/2013, que trata das Organizações Criminosas e se tornou a base para delações premiadas em todo o País, afirma que os réus que colaborarem com a Justiça podem ser beneficiados com extinção de até dois terços da pena ou perdão judicial.
Caberá ao juiz Lúcio Ferreira definir se aceita o pedido quando proferir a sentença do núcleo dos honorários.  

O acordo de colaboração premiada de Wagner abrange cinco crimes: integrar organização criminosa, corrupção passiva e ativa, peculato, falsidade ideológica e uso de documento falso.  

Entretanto, ele ainda pode ser alvo de ação do Gaeco por lavagem de dinheiro, após pente-fino realizado pelos promotores nos repasses feitos por Zuely, divergências em seus depoimentos e acusações de Sandro Rovani. 

Alguns argumentos da defesa de Wagner para o perdão judicial 

1 - Ele apontou o local em que estava a "planilha da propina", mostrando que a delação não ficou apenas em sua palavra, mas em provas materiais;

2 - Assumiu, com arrependimento, ter fraudado atas de assembleias do Sindicato dos Servidores para favorecer Zuely Librandi;

3 - Revelou que as tratativas prévias de propina com Zuely envolviam Dárcy Vera e Marco Antonio dos Santos, o que se tornou um "divisor de águas" na investigação;

4 - Wagner teria sido "convencido" por Zuely e Sandro Rovani que o acordo dos honorários, além de render propinas para ele, seria vantajoso para os servidores.

Vai e volta do dinheiro  

Em setembro de 2016, Wagner disse ao Gaeco que recebeu três repasses de Zuely, mas com valores pequenos, de R$ 5 mil cada. No mês seguinte, assumiu ter recebido R$ 50 mil de "adiantamento" e mais R$ 200 mil (mesmo valor dos imóveis) no início de 2013, e que depois ele e Sandro receberam R$ 537 mil. Um ano depois, ao ser interrogado pela Justiça em dezembro de 2017, ele se lembrou, que na verdade, havia recebido sozinho R$ 1,2 milhão.  

Segundo Wagner, todo o dinheiro foi gasto. "Ajudei conhecidos, paguei cirurgia para uma pessoa, viajei... Quando parei para pensar em guardar, já tinha ido embora", afirmou ao juiz.  

Já Sandro Rovani, que seria o intermediário da propina paga por Zuely, afirmou à Justiça que Wagner recebeu R$ 5,2 milhões.  

O Gaeco descobriu que Wagner remeteu dinheiro a parentes de sua companheira, que moram no Ceará. Um inquérito em aberto investiga o crime de lavagem de dinheiro. O ex-sindicalista não está imune a essa investigação. 

LEIA MAIS: Wagner bancou festa de casamento em Fortaleza com dinheiro de propina


0 Comentário(s)

Seja o primeiro a comentar.