Dárcy Vera: do tailleur cor-de-rosa ao uniforme cáqui

Assista ao vídeo do interrogatório de Dárcy e veja o que seis meses na prisão fizeram à ex-prefeita

    • ACidadeON/Ribeirao
    • Rita Magalhães
Reprodução EPTV
Clique e assista ao interrogatório de Dárcy Vera no Fórum de Ribeirão Preto (Imagens: Reprodução / EPTV)

 

A Dárcy Vera que ingressou na sala de audiências da 4ª Vara Criminal, no segundo andar do Fórum de Ribeirão Preto, na manhã da última terça-feira, em nada lembrava a “Penélope Charmosa” que ganhou notoriedade nacional ao assumir com mão-de-ferro o Palácio Rio Branco.

Os cabelos longos e escuros, bem diferentes do estilo Chanel iluminado por luzes adotado durante toda a administração, as unhas sem esmalte e o rosto sem nenhuma maquiagem revelam que os seis meses atrás das grades têm sido cinzentos. Nada igual ao sonhado período sabático que ela anunciou que teria neste ano para descansar da política e escrever um livro.

VEJA FOTOS DA CHEGADA DE DÁRCY AO FÓRUM  

No lugar dos chamativos tailleurs rosa bebê, pink e chiclete e dos trajes coloridos e bem cortados, Dárcy usava um moletom marrom escuro e largo, calça cáqui – uniforme do presídio de uso obrigatório - e chinelos. 

 A ausência de adornos – brincos, pulseiras e colar –, sempre usados por Dárcy durante o governo, também faz pensar se a ex-prefeita não abriu mão da (extrema) vaidade para superdimensionar o sofrimento no cárcere. É sabido que a prisão não impede as mulheres de usarem maquiagem nem pequenos acessórios.

Tão sisudo quanto o modelito prisional – que (creioo eu) nem nos mais terríveis pesadelos ela penseu que um dia usaria - estava o semblante de Dárcy, que manteve a expressão séria durante 1h30 de interrogatório. 

F.L.Piton / A CIDADE
Prefeita Dárcy Vera no dia de sua primeira posse no Palário Rio Branco (Foto: L.F.Piton/ A Cidade 31/12/2008)

Sisuda sim, mas cabisbaixa não. Dárcy recusou-se a ser interrogada pelo juiz Lúcio Ferreira. Quando o magistrado lhe fez a primeira pergunta, a ex-prefeita respondeu afiada: "Com todo o respeito ao senhor e aos promotores, por orientação dos meus advogados, só vou responder aos questionamentos da minha defesa".

Depois, deixou o promotor Frederico Camargo lançar, por cinco minutos ininterruptos, perguntas sem respostas.  Enquanto o promotor lia a lista de 53 questões, Dárcy folheava parte do processo e fazia anotações.

Só quebrou o silêncio quando foi interrogada por sua defensora Cláudia Seixas. Negou ter praticado crime de corrupção e atacou o delator Wagner Rodrigues, cujo depoimento motivou sua prisão.

"Eu sobrevivi à denúncia mentirosa das casas da Cohab, sobrevivi a uma doença que me deixou em coma e quase me matou e agora estou aqui na frente do senhor com uma delação mentirosa. Mas vou provar que sou inocente, se Deus quiser", disse.

Ela quase chorou ao citar suas trajetórias pessoal (ressaltou que trabalhou como catadora de algodão e vendedora de panela) e profissional, e a ocasião em que foi insultada no Fórum, no ano passado, assim que deixou a prisão. Disse, inclusive, que levou um chute nas costas dentro do Judiciário.

Assista abaixo ao vídeo do interrogatório de Dárcy ao juiz Lúcio Ferreira e saiba o que disse a prefeita sobre as acusações de recebimento de propina no caso dos honorários da advogada Maria Zuely Librandi. Veja ainda como a prisão transformou a aparência da ex-prefeita. 

Leia mais: 

"Vou provar minha inocência se Deus quiser", diz Dárcy

'Situação financeira de minha família é deplorável", afirma ex-prefeita

 


1 Comentário(s)

Comentário

MARIA ANGELA TAPARELLI PAULO

Publicado:

Nem calada ela se ajuda..........que era chefe do grupo os acontecimentos e por resultados a condenam.Quanto as provas virão no decorrer do tempo.