cotidiano


| ACidadeON/Ribeirao

Juiz condena carcereiro e investigador por extorsão e absolve delegado

Sentença aponta que Augusto Vaquero e Roberto Mario dos Santos exigiram R$ 100 mil de empresário para não incriminá-lo

Renato Lopes

Corregedoria (Foto: Renato Lopes)

 

 

O investigador Augusto César Vaquero e o carcereiro Roberto Mario dos Santos, conhecido como Foca, foram condenados a cinco anos de prisão e à perda de função pública pelo crime de concussão - extorsão praticada por funcionário público - praticado em 2016. Eles exigiram R$ 100 mil de um empresário para não incriminá-lo por tráfico de entorpecentes.

Acusados no mesmo processo, o delegado Leandro Árabe e o investigador Luís Henrique Maringoli de Lima foram absolvidos. A sentença foi publicada nesta quinta-feira (11) pelo juiz Augusto Rachid, da 3ª Vara Criminal de Ribeirão Preto.

“A resposta óbvia é que o delegado Leandro não participou de nada e o nome dele foi ilegalmente utilizado pelos dois agentes condenados para demonstrar prestígio e impor terror para a vítima, assegurando o sucesso da concussão” afirma o juiz em sua sentença.

O caso

Os quatro policiais foram acusados pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), após investigação conjunta com a Corregedoria da Polícia Civil, de integrarem uma associação criminosa que prevaricou, extorquiu e praticou concussão em um inquérito relacionado a tráfico.

Na denúncia, o Gaeco narra que em 29 de janeiro de 2014 a Polícia Civil apreendeu um carro com 10 kg de maconha em seu interior. Para não incriminar a proprietária do automóvel e seu filho, Vaquero , Foca e Luís Henrique teriam exigido R$ 30 mil reais. Após o suposto pagamento, o veículo liberado e o inquérito teria sido “travado” por Árabe.

Entretanto, o juiz Rachid apontou na sentença que o inquérito teve tramitação normal e que a denúncia de concussão se baseou unicamente na versão da proprietária do automóvel.

“Criminosos, suspeitos e investigados podem ser vítimas de concussão, sem sombra de dúvida. Mas a condenação de policiais não pode ser estribada exclusivamente na versão de quem tem manifesto interesse em desqualificar o trabalho policial”.

Dois anos depois, porém, o Gaeco relata que os policiais pediram mais R$ 100 mil proprietária e seu filho para não indiciá-los. Ela não teria aceitado e ambos foram indiciados e presos.
Em um relatório policial, Vaquero incluiu suspeitas sobre o irmão da proprietária também estar envolvido no crime, apesar de não haver investigação nesse sentido.

Consta, na denúncia, que Vaquero e Foca se reuniram depois com o irmão da mulher e pediram R$ 100 mil. Eles disseram que o valor seria repartido com Árabe e Luis Henrique.

A vítima, então, pagou R$ 40 mil em 17 de maio e R$ 20 mil em 24 de maio. Em 7 de junho, Vaquero e Foca receberam R$ 19,4 mil. Todos os encontros foram filmados pela vítima e as imagens entregues ao Gaeco e Corregedoria.

Após receber a quantia, em 7 de julho, Foca se encontrou com Leandro Árabe em um bar.

No dia seguinte, foi deflagrada a operação pelo Gaeco e Corregedoria da Polícia Civil. Foram recuperados R$ 16,2 mil da vítima nas residências de Foca e Vaquero.

Na carteira de Árabe, foram encontrados apenas R$ 100 – com a mesma numeração das cédulas entregues pela vítimas aos policiais. O delegado alegou que faria aniversário naquele final de semana e recebeu a quantia de Foca para comprar uma caixa de cerveja durante o encontro no bar.

“Esse valor extremamente baixo, agregado com a ausência de qualquer outro elemento, me leva a crer que a versão exculpatória do acusado de que ele recebeu essa cédula como ajuda para uma festa de aniversário é verossímil”, diz o juiz.

O magistrado reforça que “condenar Leandro com base nessas conjecturas de bar, de telefonemas e de falsas amizades é extremamente temerário e não se coaduna com o Estado do Direito”.

“Tenho a convicção de que os nomes de Leandro e Luís Henrique foram utilizados pelos outros dois para demonstrar para a vítima intimidade com outros policiais e justificar a necessidade de mais dinheiro”, registra o magistrado na sentença.

Ainda cabe recurso em segunda instância, tanto pelos condenados quanto pelo Gaeco em relação aos absolvidos. Vaqueiro e Foca vão recorrer em liberdade. Eles foram presos em 8 de julho de 2016 e soltos no segundo semestre do ano passado.

Leandro Árabe está afastado da função desde julho de 2016. Luís Henrique chegou a ser preso, mas liberado após audiência de instrução do processo na Justiça.
 

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da CBN Ribeirão Preto. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. CBN Ribeirão Preto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários

Veja também