cotidiano


| ACidadeON/Ribeirao

Pais querem saber por que corpo de bebê ficou sem necropsia

Isabella Dominiciano, 1 ano, morreu quatro dias depois de ser levada com febre a hospital de Ribeirão Preto; Polícia Civil pode pedir exumação


 

ATUALIZADA ÀS 16H40  

Os pais de Isabella da Costa Dominiciano, de 1 ano, querem saber o motivo de não ter sido realizado o exame de necropsia no corpo da bebê, morta quatro dias depois do primeiro atendimento no Hospital Materno Infantil Sinhá Junqueira, em Ribeirão Preto.

A família suspeita de erro médico, após a criança ter sido levada para o hospital com febre e o quadro ter piorado rapidamente. A delegada Silvia Elisa Ruivo Valério Mendonça, titular do 2º Distrito Policial, disse que ainda não recebeu o boletim de ocorrência (BO), mas que poderá pedir a exumação do corpo. 

"No Sinhá [hospital], um médico disse que o Cemel [Centro de Medicina Legal da USP Ribeirão] havia se recusado a fazer a necropsia. Acredito que alguém do hospital viu algum erro e está tentando acobertar isso. Nós procuramos a Justiça porque temos motivos", afirma o pai da menina, Olímpio Dominiciano Filho.

A mãe Silvana Raimunda da Costa Dominiciano conta que a menina chegou a apresentar febre na sexta-feira (2), mas que conseguiu controlar com medicamentos em casa e que chegou até a imaginar que fosse por causa da chegada dos dentes de leite.

"No sábado [dia 3 de fevereiro], nós a levamos ao hospital. A médica falou que o raio-X havia apontado uma manchinha bem pequena no pulmão, que poderia ser um começo de pneumonia", disse.

A mãe afirmou que a médica que atendeu a criança chegou a perguntar se havia algum tipo de reação a medicamentos, pois precisaria entrar com antibiótico.

"Eu disse que não havia, pelo menos o que eu sabia. Expliquei que ela já tinha tomado a Cefalexina, mas a médica disse que iria dar a Amoxicilina. A partir disso, começaram as complicações. Alguma composição do remédio agravou a situação", desabafa a mãe.

Na manhã de domingo (4), Isabella começou a apresentar quadro de vômito e os pais a levaram novamente ao hospital.

Segundo a família, a bebê passou por novos exames e até uma punção foi feita, o que descartou meningite na menina.

"Todas as vezes eu perguntava qual era o medicamento que estavam dando para a Isabella", afirma o pai, que conta ter sido informado que havia sido administrado o remédio Bromoprida para conter o vômito.

Com quadro aparentemente estabilizado, os pais afirmaram que Isabella novamente foi liberada do hospital e voltou para a casa.

Contudo, já na segunda-feira (5), ela voltou a apresentar náuseas e vômito.

"Me assustei e corremos com ela de volta. Eu cheguei a falar que não sairia dali, caso não examinassem o que a minha filha tinha", declara Silvana.

O pai lembra que uma médica percebeu que a respiração da criança estava baixando.

"Percebi que a médica estava meio nervosa. A saturação de oxigênio no sangue deu 83% e o normal é acima de 94%. Aí, colocaram o oxigênio, mas a respiração só foi diminuindo desde então", lembra Olímpio.

Gases

Ainda no hospital na segunda pela manhã, os pais contaram que perceberam que a barriga de Isabella estava rígida.

"A médica pediu para dar um remédio para gases. Foi tirado um novo raio-X e a doutora disse que havia espasmo e fezes, mas que iria cuidar do foco e que esse problema de gases era para deixar para depois. Mas, o corpo da Isabella já foi ficando mole, não tinha mais reação. Aí, chamaram uma médica da UTI [Unidade de Terapia Intensiva]. Eu não aguentava ver mais eles furarem o corpo da minha filha para colocar o acesso na veia. Chegaram até a aplicar corticoide para cortar o vômito", recorda a mãe.

Para o pai, a suspeita é que o corticoide teria sido um recurso da equipe médica para tentar cessar o efeito de algum outro medicamento no corpo da criança.

O quadro só piorava e a equipe resolveu levar a menina para a UTI.

"A gente se sente de mãos amarradas e não acreditava na piora da Isabella. Na UTI, pedi que Deus a abençoasse e disse que a amava eternamente. Mal chegamos em casa de volta e recebemos um telefonema do hospital. A médica disse que depois que eu saí do quarto, ela teve uma piora", relata a mãe, emocionada.

Isabella faleceu por volta das 22h do dia 6 de fevereiro.

Confusão

A família afirma que chegou a assinar a autorização para a necropsia no corpo da criança, mas que o hospital teria ligado para o Cemel e pedido para que Isabella fosse levada de volta para o Sinhá Junqueira.

Segundo a família, o atestado de óbito consta choque séptico como causa da morte. O BO na Polícia Civil foi registrado como morte natural.

"Minha filha entrou com uma simples febre, piorou no hospital e morreu lá. A explicação sempre é essa de que foi uma bactéria, uma virose. Toma um remédio e vai para casa. Alguém tem que tomar é uma providência", reclama o pai.

A família também afirma que o hospital teria solicitado ao convênio médico da menina a autorização para um procedimento cirúrgico de urgência na criança, mas Isabella já havia falecido e o plano de saúde tinha até sido cancelado.

Os pais disseram que somente esperam a apuração dos fatos pela polícia e que não pretendem prejudicar o hospital nem estão interessados em qualquer indenização.

"O meu alerta é que os médicos de lá do hospital são residentes, não têm experiência, e hoje dificilmente você vê um profissional que trabalha por amor. Peço para os pais não aceitarem medicar seus filhos com um remédio que não sabe qual é", desabafa a mãe.

Outro lado


O Hospital Materno Infantil Sinhá Junqueira informa, por meio de nota encaminhada ao ACidade ON por sua assessoria de imprensa, que seguiu o protocolo padrão documentado em prontuário e que encaminhou o corpo de Isabella para o Serviço de Verificação de Óbito (SVO) do Cemel (Centro de Medicina Legal).

"Apesar do regular envio para o SVO, foi por este serviço recusada a realização da necropsia, em razão da causa da morte estar fundamentada na documentação médica enviada pelo hospital", explica a nota.

De acordo com o hospital, a família teria sido informada sobre a recusa e, então, o corpo da paciente acabou liberado.

O hospital, porém, não informou a causa da morte em razão do sigilo médico.

LEIA TAMBÉM

Bebê morre com suspeita de erro médico em Ribeirão Preto

 

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da CBN Ribeirão Preto. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. CBN Ribeirão Preto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários

Veja também