Economia


| FOLHAPRESS

Gasolina passa de R$ 5 em SP e Petrobras segura reajustes

Estatal mantém o preço médio da gasolina em suas refinarias inalterado em R$ 2,2069, valor vigente também para esta quarta (12)

 

Preço da gasolina ultrapassou os R$ 5 em São Paulo (foto: ACidade ON / São Carlos)

RIO DE JANEIRO, RJ, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Pressionado por reajustes promovidos pela Petrobras nas últimas semanas, o preço da gasolina já supera os R$ 5 em postos da cidade de São Paulo. Desde a última quarta (5), a estatal decidiu segurar os preços em suas refinarias. Nesta terça (11), ao percorrer postos na capital paulista, a reportagem encontrou estabelecimentos vendendo gasolina por até R$ 5,90 por litro. Os valores indicam alta em relação à semana passada, quando a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis) detectou o preço máximo de R$ 4,99.  

"É um absurdo esse preço. Trabalho com obras e dependo do carro", reclamou Antonio Evandro Alves da Silva, 47, que pagou R$ 4,99 para abastecer o carro nesta terça em um posto da rua da Consolação, região central de São Paulo. Ele afirma que gastava, até a semana passada, cerca de R$ 100 por semana apenas com combustível. O aumento vai pesar no orçamento, já que não consegue trocar o carro por transporte público. "Não dá para repassar o custo. Vou ficar com o prejuízo." Alguns postos deixaram de informar o preço da gasolina em faixas e banners, dando destaque apenas ao etanol. O valor da gasolina era informado apenas na bomba. Pesquisa da ANP divulgada na segunda-feira (10) encontrou gasolina acima de R$ 5 em 12 estados brasileiros.  

A mais cara, R$ 6,90, foi registrada em um posto no interior do Tocantins. O levantamento trouxe a primeira alta na gasolina após semanas de estabilidade. Em média, o preço subiu 1,77% no país, para R$ 4,525 por litro. Em São Paulo, onde o preço médio era de R$ 4,296 por litro na semana passada, a alta foi de 1,7% com relação à semana anterior. No estado, a ANP detectou preço mínimo de R$ 3,749 por litro. Além de São Paulo, o preço da gasolina subiu em outros 24 estados e no Distrito Federal -ficou estável apenas no Amazonas. Considerando o preço médio, apenas o Acre tem valores acima dos R$ 5 (foi R$ 5,074 na semana passada).  

O Rio está bem próximo, com preço médio de R$ 4,96 por litro, de acordo com a pesquisa da ANP. A coleta de preços pela agência geralmente é feita no início da semana. Nova pesquisa será divulgada na sexta (14). A escalada do preço da gasolina nas bombas reflete uma série de reajustes promovidos pela Petrobras em suas refinarias desde meados de julho, acompanhando a elevação das cotações internacionais e a desvalorização cambial. Desde o dia 18 de julho, o preço do combustível vendido pela estatal teve alta de 12,7%. E as pressões externas permanecem, tanto no preço do petróleo quanto no câmbio. Nesta terça, o petróleo tipo Brent, negociado em Londres, subiu 2,18%, para US$ 79,06 (R$ 328, com a cotação atual) diante de preocupação dos investidores em relação ao furacão Florence, que se aproxima da costa dos Estados Unidos. O dólar fechou em R$ 4,15, o maior valor do ano, em mais um dia de desvalorização provocada por incertezas em relação ao processo eleitoral. 

Desde a última quarta, porém, a Petrobras mantém o preço médio da gasolina em suas refinarias inalterado em R$ 2,2069, valor vigente também para esta quarta (12). Na quinta (6), a empresa anunciou uma mudança em sua política de preços, incluindo a permissão para segurar reajustes por até 15 dias em caso de pressão altista provocada por fatores externos, como desastres naturais ou desvalorização cambial acentuada. Nos períodos de represamento, a estatal diz que evitará prejuízos por meio de um mecanismo de proteção financeira, conhecido como hedge, que prevê a negociação de contratos futuros de gasolina e dólar. Questionada, a Petrobras não informou se o represamento atual já é fruto da nova estratégia para evitar repasses ao consumidor. Foi a segunda revisão em sua política de preços desde a criação, em outubro de 2016. Na primeira, em julho de 2017, a direção da estatal autorizou sua área comercial a promover ajustes diários. Desde o início dos reajustes diários, o preço médio da gasolina nos postos brasileiros acumula aumento de 23,8%, já descontando a inflação no período. 

Dados do boletim mensal de acompanhamento do mercado de combustíveis do (MME) Ministério de Minas e Energia mostram que impostos contribuíram de forma importante para a alta. Entre a última semana de junho de 2017 e a última de agosto, a parcela referente a impostos federais no preço final da gasolina subiu 85,7%, para R$ 0,67 por litro. Já a parcela do ICMS subiu 20,7%, para R$ 1,256 por litro. Juntos, os dois impostos respondem por R$ 0,53 a mais por litro. A fatia referente à gasolina pura teve alta de 41,37%, para R$ 1,442 por litro. Etanol anidro e margens de distribuição caíram no período, enquanto as margens de revenda subiram 9,5%, em média, no país. Segundo José Alberto Paiva Gouveia, presidente do Sincopetro (Sindicato do Comércio Varejista Derivados Petróleo Estado São Paulo), cada dono de posto é livre para tomar a sua decisão de definir o preço da gasolina. 

Ele diz, porém, que há uma minoria de locais com preço maior. Para o sindicalista, apenas postos em regiões mais privilegiadas conseguem vender a gasolina mais cara. "É exceção", afirmou. Gouveia critica a política de preços da Petrobras -desde julho, o preço se assemelha aos praticados em 2008, quando o petróleo estava acima dos US$ 100 (R$ 415) por barril. "Nunca tivemos um preço tão alto. É fora de propósito." De acordo com a pesquisa da ANP, nas condições atuais o etanol é mais vantajoso do que a gasolina no Distrito Federal e em seis estados: Mato Grosso, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Paraná e Rio. Neles, o consumidor que abastecer com etanol terá economia em relação ao gasto com gasolina.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da CBN Ribeirão Preto. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. CBN Ribeirão Preto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Veja também