Jovens e idosos vão às urnas porque querem um Brasil melhor

Casados há 61 anos, José Eduardo e Maria Helena não abrem mão do voto

    • Jornal A Cidade
    • Marcelo Fontes
F.L. Piton / A Cidade
José Eduardo e Maria Helena vão mais uma vez às urnas em busca de benefícios ao Brasil. (F.L. Piton / A Cidade)

“Vamos votar porque queremos ajudar o Brasil a melhorar. Nunca perdemos a esperança de ver um País melhor”. A frase é do casal José Eduardo Dutra de Oliveira, de 86 anos, e Maria Helena Silva Dutra de Oliveira, 85 anos, que não tem a obrigação de votar, mas fazem questão de cumprir com o ato cívico de escolher os políticos que vão governar pelos próximos quatro anos.

Daniel Fabris tem 16 anos, mas já tirou título eleitor e faz questão de ir votar. “Quero ajudar a decidir o futuro do Brasil. O incentivo para pensar assim foi dado em casa, pelo meu pai”, explicou o adolescente.

Os números do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) apontam que o eleitorado brasileiro cresceu 5,17% nos últimos quatro anos. Porém, o número de jovens aptos a votar caiu. Em 2010, os eleitores com 16 anos eram 900.807 (0,66% do total), no domingo eles serão 480.044 (0,34%) – redução de 420 mil eleitores.

Já o número de idosos aptos a votar cresceu. Em 2010, os eleitores com 60 anos ou mais eram 20,7 milhões (15,3% do total). Este ano são 24,2 milhões (17%) de idosos (leia mais abaixo).

Maria Helena e José Eduardo estão casados há 61 anos e votam desde a época estudantil. “Eu e a minha mulher participamos das eleições desde a época da universidade. Nós descobrimos desde jovens a importância do voto”, contou José Eduardo, conhecido como Doutor Dutra – é médico e professor da USP (Universidade de São Paulo).

“Sempre participamos de movimentos sociais políticos. A participação nas eleições é um direito e um dever do cidadão”, afirmou Maria Helena, que foi professora. “As pessoas precisam tomar atitude se querem mudar o Brasil”, completou.

O jovem Daniel Fabris, também vai votar por civilidade. “Tenho 16 anos e optei por tirar o título de eleitor e vou votar porque quero ter a chance de melhorar o Brasil”, contou o jovem. “Minha família sempre me incentivou”, acrescentou.

Regra
Desde 1989, quem tem entre 16 e 18 anos pode tirar o título de eleitor, mas não é obrigado a votar. A obrigatoriedade recai sobre a população que está entre 18 e 69 anos. A partir dos 70 anos a ida às urnas é facultativa.

Eneida acompanha de perto a política
Aos 80 anos, Eneida Maria Morais, ainda gosta de acompanhar de perto a política brasileira. “Faço questão de votar mesmo vivendo em um tempo totalmente diferente da minha geração”, falou.

De acordo com ela, o gosto pela política vem desde a época de Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek. “Acompanha as coisas que aconteciam durante a eleição pela revista O Cruzeiro e pelo rádio. Não tinha televisão e muito menos na internet. Lembro que o Getúlio era muito querido pelo povo”, recordou.

De acordo com ela, a motivação para seguir votando vem da consciência. “Votar domingo é uma obrigação para o brasileiro. Eu tenho saúde e estou lúcida. Não tem motivo para não votar. Faço questão de seguir ajudando o País a mudar”, finalizou.


0 Comentário(s)

Seja o primeiro a comentar.