Repórter do A Cidade é citado em lista de celular de Plastino

Jornalista aparece em relatório da perícia da PF - ele nega envolvimento; profissional foi dispensado pelo jornal

    • ACidadeON/Ribeirao
    • Da reportagem

O jornalista Wesley Alcântara, do jornal A Cidade, tem seu nome citado no relatório da Polícia Federal (PF) sobre a perícia realizada no celular do empresário Marcelo Plastino, proprietário da Atmosphera, em ação que integra a investigação da Operação Sevandija.

Plastino é acusado de pagar propina para vereadores e agentes públicos em troca de apoio político. Ele cometeu suicídio no dia 25 de novembro de 2016.

A PF fez análise de arquivos de texto, conversas no aplicativo WhatsApp e arquivos de imagem encontrados no iPhone do empresário, utilizado por ele desde que deixou a prisão, no início de outubro de 2016, ao dia do suicídio.

Num desses arquivos, ligado ao nome do ex-superintedente da Coderp Davi Cury, aparece a seguinte citação: “compra repórter Weslei (jornal a cidade) por R$ 2 mil/mês”.

O diretor do jornal A Cidade, Josué Suzuki, declarou o seguinte: “Tomamos ciência de que o nome de nosso repórter é citado em uma planilha do empresário Marcelo Plastino. Em nome da transparência que sempre pregamos e buscamos praticar editorialmente, defendemos que as suspeições que se depreendem destes registros são graves e pedem apuração rigorosa. Não queremos nem podemos fazer o pré-julgamento do repórter. Até prova em contrário, todos são inocentes. Mas comunicamos que, diante da gravidade das possíveis ilações a partir destas citações, Wesley Alcântara foi dispensado. Até para que ele possa se defender e esclarecer os fatos. Com isso, pretendemos mostrar nossa isenção editorial e nossa postura frontalmente contrária a qualquer tentativa de manipulação da imprensa. O que importa, neste caso e em todos os outros, é que a verdade venha à tona e prevaleça. É ao lado dela que estaremos”.

Wesley Alcântara nega veementemente qualquer tipo de envolvimento no caso.

Nome é citado em gravação

A Cidade teve acesso a uma interceptação telefônica, com autorização da Justiça, entre a ex-prefeita Dárcy Vera e o ex-presidente da Câmara, Walter Gomes (PTB), em que o nome do jornalista Wesley Alcântara é citado.

A então chefe do Executivo liga para o vereador, antes da deflagração da Operação Sevandija, querendo saber por que o A Cidade estaria “batendo tanto” na prefeita, que nem era candidata. Dárcy diz a Walter que Wesley seria “do esquema de vocês e sai o que vocês querem e o que vocês não querem”.

Walter Gomes, por sua vez, rebate: “Não é nem esquema, nós temos uma amizade. A gente conversa com ele”. “Eu só queria que você entendesse. Se ele tem um esquema e recebe ajuda de vocês, tenta descobrir com ele por que o jornal A Cidade, se eu não sou candidata, por que fica batendo em mim?”, insiste.

“Mas isso aí é a parte interna do jornal”, rebate Walter. Dárcy interrompe: “Mas ele [Wesley] deve saber, ele deve saber. É só dizer que não fui eu que perguntei, faça de conta que você que quer saber”, insiste a agora ex-prefeita. “Tá”, conclui Walter Gomes.


0 Comentário(s)

Seja o primeiro a comentar.