Presidente da Tead diz não acreditar em reforma do aeroporto

Promessa de ampliação do Leite Lopes foi renovada há 10 dias, em Brasília

    • ACidadeON/Ribeirao
    • Marcelo Fontes
F. L. Piton
Aeroporto Leite Lopes, em Ribeirão Preto

 

O presidente da Tead Brasil, Carlos Ernesto, diz não acreditar mais que as obras do Aeroporto Leite Lopes, em Ribeirão Preto, saiam do papel. A Tead é a empresa que venceu a licitação para operar o terminal de cargas do aeroporto em 2003.

“Aguardo há 14 anos. Já vi inúmeras vezes os políticos anunciarem o investimento e a situação ficar apenas na promessa. Já vi esse filme várias vezes”, falou o presidente. “A empresa já investiu R$ 42 milhões no terminal de cargas. É um prejuízo enorme”, acrescentou Ernesto.

O presidente da Tead ainda criticou a gestão do Leite Lopes. “A torre de controle está abandonada. O aeroporto é operado de forma improvisada”, disparou. “Para o terminal de cargas era preciso pouca coisa. Investimento inferior a R$ 40 milhões”, concluiu.

A promessa de ampliação do Leite Lopes foi renovada há 10 dias, em Brasília, com a assinatura de um convênio entre o governo federal (R$ 79,2 milhões) e o governo estadual (R$ 8,8 milhões).
Estão previstas várias ampliações: terminal de passageiros, seção contra incêndio e pátio de aeronaves, além do recapeamento da pista e da implantação de turnaround (área de giro de aeronaves).

Daesp diz que concessão acaba em 2019

O Daesp (Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo), responsável pelo Aeroporto Leite Lopes, disse, por meio de nota, que “a torre de controle é operada pela Infraero e que a manutenção e operação são de responsabilidade deste órgão”. “Sobre a Tead, o Departamento Aeroviário informa que o contrato de concessão com a empresa é válida até 2019. Já operação do terminal de cargas cabe exclusivamente à empresa”, informou. A coluna questionou a Infraero, na quinta-feira (31), mas não recebeu resposta até o fechamento. 

Entenda o caso

2003 – Tead Brasil vence licitação para operar terminal de cargas do Aeroporto Leite Lopes

2008 – Prefeitura e Estado assinam TAC se comprometendo a não ampliar a pista do Leite Lopes – que tem 2,1 mil metros e tamanho útil de 1,7 mil metros

2009 – Prefeitura inicia conversas com o Estado para adequações no Leite Lopes

2011- Em visita a Ribeirão, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) anuncia que vai buscar uma saída jurídica para rever o TAC e ampliar a pista do Leite Lopes

2012 – Dersa divulga projeto de deslocamento da pista do Leite Lopes, orçado em R$ 170, 6 milhões do Estado e R$ 25,8 milhões da prefeitura

2014 – Daesp afirma que pretende ampliar o terminal de passageiros e o pátio de aeronaves, além do aumento da pista. A obra passa a custar R$ 413 milhões – Governo Federal com R$ 348 milhões, contra R$ 40 milhões do Estado e R$ 25 milhões da prefeitura

2015 – Reforma é estimada em R$ 443 milhões e lançamento da licitação deveria ocorrer em até 90 dias

2016 – Presidente Michel Temer (PMDB) corta o investimento previsto pelo governo federal em aeroportos do interior do Brasil

2017 – Após pressão dos políticos locais, governo federal resolve liberar R$ 79,2 milhões para obras no Leite Lopes. Estado tem contrapartida de R$ 8,8 milhões

 

Fonte: A Cidade

 


0 Comentário(s)

Seja o primeiro a comentar.