Wagner Rossi teria recebido "mensalinho" de R$ 100 mil de Joesley

Dono da JBS disse que ex-ministro da Agricultura recebeu pagamento por um ano; Wagner nega

    • ACidadeON/Ribeirao
    • Cristiano Pavini
Luiz Cervi / Divulgação
O ex-ministro Wagner Rossi foi citado em delação da JBS (Foto: Luiz Cervi / Divulgação)

 

O ex-ministro da Agricultura Wagner Rossi, pai do deputado federal Baleia Rossi (PMDB), recebeu por um ano R$ 100 mil de “mensalinho” do empresário Joesley Batista a pedido do presidente Michel Temer (PMDB), segundo acusou o dono do grupo JBS em delação premiada. Wagner nega as acusações (leia nota abaixo).

Joesley Bastista, responsável pelo terremoto que sacudiu a política brasileira nos últimos dias, diz que, em 2010, Wagner, como ministro, o apresentou a Michel Temer, então presidente da Câmara dos Deputados.

De acordo com o empresário, no ano seguinte, Michel, já como vice-presidente, pediu que fosse pago um “mensalinho” a Wagner, que havia acabado de deixar o Ministério. Joesley afirma que fez o pagamento de R$ 100 mil “dissimuladamente por cerca de um ano”.

As denúncias constam no anexo 9 da delação premiada da JBS, que foi tornada pública ontem pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia abaixo a íntegra da resposta de Wagner Rossi:

“Conheci o senhor Joesley Batista no período em que fui ministro. Era um grande empresário do setor, de trato cordial, que demonstrou interesse em conhecer o então deputado Michel Temer, presidente do meu partido. Não vi problema nisso. É importante ressaltar, aliás, que o próprio texto da delação não diz que eu tenha participado de reunião para tratar de qualquer ilícito.
Logo após deixar o ministério, Joesley me procurou e ofereceu para que eu fosse trabalhar com ele. Nessa oportunidade, agradeci o convite e declinei, pois estava cumprindo quarentena.
Depois do prazo legal, prestei por alguns meses colaboração remunerada a uma das empresas do Grupo JBS, assim como fazem diversos outros profissionais que deixam cargos no governo e reingressam na iniciativa privada.
Encerrei minha atividade pública e estou aposentado há quase seis anos”.

Leia reportagem completa na edição de amanhã do A Cidade.


0 Comentário(s)

Seja o primeiro a comentar.