Câmara de Ribeirão convoca secretário para 'explicar' morte de andarilho

Juliano Machado morreu no dia 28 de fevereiro e, no dia anterior, ele foi filmado tendo convulsões em frente a UBS da Vila Tibério, que estava sem médico

    • ACidadeON/Ribeirao
    • Cristiano Pavini

Secretário da Saúde, Sandro Scarpelini (foto), terá que prestar esclarecimentos sobre a morte do andarilho Juliano Machado (Foto: Allan S. Ribeiro / Divulgação Câmara Municipal de Ribeirão Preto)

A Câmara aprovou na noite desta terça-feira (13), por unanimidade, a convocação do Secretário Municipal de Saúde, Sandro Scarpelini, para prestar esclarecimentos sobre a morte do andarilho Juliano Machado, 40 anos, ocorrida no dia 28 de fevereiro. No dia anterior, ele foi filmado tendo convulsões em frente a UBS da Vila Tibério, que estava sem médico.  

"Quem achar que a saúde está perfeita, a mil maravilhas, vote não", ironizou Lincoln Fernandes (PDT), autor do requerimento. Caberá à Mesa Diretora da Câmara definir a data em que o secretário será obrigado a ir ao Legislativo.  

Nenhum vereador se dispôs a subir na tribuna defender o Palácio Rio Branco. Com isso, a convocação se tornou palco para a Saúde municipal ser metralhada. "Não temos sequer médico, Ribeirão está às moscas", criticou Jean Coraucci (PDT).  

A Cidade mostrou, na edição de 4 de março, que em fevereiro eram 515 médicos na folha de pagamento da prefeitura. Em 2012, o município contava com 710 - a queda de profissionais ocorre ano a ano.  

O vereador Isaac Antunes (PR) foi além, e sugeriu punições ao secretário. Ele lembrou que, quando um motociclista morreu após cair em um buraco, o secretário de Obras e Infraestrutura, Pedro Pegoraro, foi convocado pela Câmara.  

"E o que aconteceu com ele [Pegoraro]? Nada. E agora, o que vai acontecer com o Secretário de Saúde?", disse, afirmando que a Câmara deveria "convocar mais" secretários da prefeitura. "Eles são intocáveis", afirmou Isaac.  

Segundo relatório oficial da Secretaria da Saúde, Juliano foi atendido na UBS Vila Tibério pela manhã do dia 27 de fevereiro. À tarde, após ter convulsões, foi internado na UBDS com sintomas de hipertensão, sendo liberado por volta das 22h.  

No dia seguinte, passou mal novamente, procurando socorro na UBS da Vila Tibério. Lá, por volta das 10h, apresentou nova crise convulsiva e parada cardiorrespiratória.  

Antes do relatório oficial ser finalizado pela Secretária da Saúde o prefeito Duarte Nogueira (PSDB), em entrevista ao A Cidade, afirmou que a Saúde municipal estava sendo "injustiçada" e que Juliano fugiu do atendimento. Sua assessoria justificou que ele não tinha, no momento da declaração, todas as informações do atendimento.

Ausência  

Exatamente uma semana antes da morte de Juliano, Sandro Scarpelini foi à Câmara, em audiência pública, prestar contas da Secretaria Municipal de Saúde.  

Embora houvesse oportunidade para questioná-lo sobre problemas de gestão e falta de funcionários, apenas o vereador Luciano Mega (PDT) compareceu. Todos os demais 26 parlamentares se ausentaram.  

"Agora ele será convocado para falar especificamente deste tema", justificou Mega na tribuna hoje. 

LEIA TAMBÉM 
Relatório do atendimento médico de andarilho contradiz Nogueira  
É uma injustiça com a Saúde, diz Nogueira sobre críticas pela morte de andarilho
 



0 Comentário(s)