Avó faz 'vaquinha' para ajudar neto internado há quatro meses com problemas no coração

O pequeno Benjamin também nasceu com síndrome de Down

    • ACidadeON/Araraquara
    • Da reportagem
ACidade ON - Araraquara
Benjamin nasceu com sindrome de Down e cardiopatia congênita (arquivo da família)

 

Em maio deste ano o casal Luísa Furtado, de 20 anos, e Guilherme Cerminaro, 25, presenciaram o nascimento do pequeno Benjamin. Pouco tempo depois eles descobriram que o menino tinha síndrome de Down e três cardiopatias congênitas. O bebê nasceu com os átrios separados, que faz o coração bombear sangue para os pulmões. A notícia abalou a família que precisou mudar toda sua rotina para se adaptar a nova realidade.

Benjamin começou a ser tratado no Hospital da Criança de São José do Rio Preto (SP), que tem um centro especializado no tratamento de cardiopatias infantis. Com dois meses de vida o recém-nascido passou por uma cirurgia para a correção do problema no coração. O procedimento médico foi bem sucedido, mas algumas complicações nas semanas seguintes provocaram um agravamento de seu estado de saúde.

Benjamin tinha acabado de chegar a Araraquara e precisou retornar para o hospital onde está internado há quatro meses e sem previsão de alta.

Luísa, que faria vestibular para psicologia, abandonou o sonho e hoje passa o dia com o filho e dorme em uma casa de apoio. Guilherme trancou a faculdade que fazia em Santos e também se mudou para Rio Preto. Atualmente ele vive em uma república. Os dois decidiram ficar por lá por tempo indeterminado para garantir o melhor tratamento para o pequeno. Os dois estão desempregados.

A funcionária pública Lúcia Furtado é a avó de Benjamin e decidiu fazer uma vaquinha virtual para arrecadar R$ 25 mil para auxiliar a família da filha. O objetivo é preparar uma casa para quando a criança deixar o hospital.

“Ele irá passar por outra cirurgia reparadora quando tiver, 6, 7 anos de idade. Até lá a gente ele terá uma situação muito delicada e vai precisar de uma estrutura de hospital em casa e de um ambiente estéril. Os pais não têm condições no momento. Eles são muito dedicados e estão o tempo todo com o Benjamin. Ainda estão procurando uma casa e precisam prepará-la para a chegada dele e toda ajuda que conseguirmos será bem-vinda ”, disse Lúcia.

Os interessados em ajudar podem acessar o link: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/do-bem-para-o-ben. No site há formas de se comunicar com a família e também métodos para os depósitos bancários. Até a edição desse reportagem a vaquinha virtual já contava com 83 doações e R$ 7.230 em arrecadações.
 


0 Comentário(s)

Seja o primeiro a comentar.