Usuários de ônibus cai nos cinco primeiros meses de 2018

Número de usuários de ônibus em Ribeirão Preto é o mais baixo em cinco anos

    • ACidadeON/Ribeirao
    • Cristiano Pavini

Ponto ao lado da Catedral estava sem passageiros na manhã da última quinta-feira (28) (Foto: Weber Sian / A Cidade)
O número de passageiros de ônibus em Ribeirão Preto nos primeiros cinco meses de 2018 foi o mais baixo dos últimos cinco anos, quando teve início a concessão do transporte coletivo. A queda é constante desde 2014 em relação ao mesmo período desse ano, houve redução de 1,6 milhão de usuários.  

Segundo especialistas e representantes do setor, a queda de passageiros é uma tendência nacional, motivada pela crise econômica (aumento do número de desempregados, que perdem o vale-transporte), priorização do transporte individual principalmente motocicletas, tarifa cara e ausência de instrumentos, no trânsito, que aumentem a velocidade dos ônibus. 

Passageiros ouvidos pelo A Cidade reclamaram, também, da lotação nos horários de pico, da insegurança no cumprimento dos horários de chegada no destino e da falta de infraestrutura dos 3.054 pontos de parada, apenas 28% são cobertos com proteção ao sol e chuvas, segundo a Transerp.  

De janeiro a maio de 2018, em média, os ônibus levaram 151,4 mil passageiros ao dia (usuários que utilizam integração são contabilizados duas vezes) . Já em 2014, as catracas giravam 162,4 mil vezes diariamente.  

A situação é ainda pior quando considerados apenas os passageiros equivalentes (ou seja: os que pagam a tarifa, descontando gratuidades para estudantes e idosos e os que realizam a integração gratuita).  

Dos 22,7 milhões de usuários transportados até maio de 2018, 13,3 milhões (59%) eram equivalentes. Há quatro anos, nesse mesmo período, os ônibus levaram 23,5 milhões de pessoas, das quais 15,6 milhões (67%) remuneraram o sistema.  

Quando realizou a licitação para a concessão do transporte coletivo, em 2012, a Prefeitura de Ribeirão Preto informou que, mensalmente, o sistema tinha uma média de 3,4 milhões de passageiros equivalentes ao mês. Em 2017, considerando todos os meses, a média foi de 2,7 milhões.  

O cenário impacta diretamente nos cálculos da tarifa, devido à perda de arrecadação no sistema por contrato, a Prefeitura é obrigada a manter o equilíbrio econômico-financeiro do PróUrbano. "Não há contrato que suporte tal situação", afirmou o consórcio, citando a redução de passageiros pagantes. Assim, mesmo com a diminuição recente do preço do Diesel após a greve dos caminhoneiros, a tarifa deve aumentar em julho. Prefeitura e PróUrbano não informam quanto.  

Campeã do interior em motos

Reportagem do A Cidade publicada há duas semanas na superedição mostrou que Ribeirão Preto, o 8° município mais populado do Estado de São Paulo, é o segundo com maior frota de motos, perdendo apenas para a capital. A cidade conta hoje com 135 mil motocicletas. São, em média, sete novos veículos sobre duas rodas nas ruas ao dia.



0 Comentário(s)

Seja o primeiro a comentar.