Banda The Gift promete show eletrizante no Sesc Ribeirão

Pioneira na música independente em Portugal, a The Gift nasceu há mais de 20 anos na cidade lusitana de Alcobaça

    • ACidadeON/Ribeirao
    • Valeska Mateus
Divulgação
Eclética, eletrônica e pop são algumas das características do som The Gift, banda portuguesa que tocará no Sesc (Foto: Divulgação)

 

“Elegante, eclético, indie, eletrônico, pop, alternativo e muito aberto”. Assim o baixista John Gonçalves define o som da banda portuguesa The Gift, que promete um show eletrizante nesta quarta-feira no Sesc Ribeirão.

Encarregado do baixo e dos teclados no grupo, John toca ao lado de Sónia Tavares (voz), Nuno Gonçalves (voz e teclados) e Miguel Ribeiro (bateria).

Pioneira na música independente em Portugal, a The Gift nasceu há mais de 20 anos na cidade lusitana de Alcobaça e precisou “arregaçar as mangas” para conquistar a carreira consolidada de hoje. Para tanto, adotou o conceito “Do It Yourself”, muito comum entre grupos independentes.

“Foi, sem dúvida, o que nos trouxe até onde estamos hoje. Acho que há bandas independentes que podem logo assinar um contrato, com management, booking e uma assessoria de imprensa, e outras que terão de fazer o seu próprio trajeto. O meu respeito por uma ou outra é sempre muito elevado, desde que sejam honestas com a sua própria arte”, declara John.

Hoje, a The Gift acumula prêmios como Globo de Ouro e o MTV Europe Music Awards, já fez turnês por todos os continentes e possui editora e estúdio próprios.

“Em 1998, nenhuma editora assinou conosco e, em 2001, quando queriam assinar, depois do êxito do primeiro disco, decidimos criar uma editora e o nosso próprio estúdio, ficando, literalmente, independentes de todo o sistema”, conta o músico. Ele vê as indies como o presente e o futuro da música. “As bandas mais interessantes e que vão trilhar novos caminhos virão do espectro de independentes”, opina. 

Banda admira público brasileiro

O baixista John Gonçalves morou por quatro anos no Rio de Janeiro. A banda, aliás, conhece e admira o público brasileiro desde 2006, quando começou a tocar por aqui (leia frase nesta página). As últimas apresentações no País ocorreram em 2013, em São Paulo, interior e no Rock in Rio. Em janeiro deste ano, a The Gift fez uma breve visita ao Rio para gravar um clipe para o single “Big Fish”, que conta com produção do estúdio carioca Contra.

Álbum da vida

O trabalho de composição da The Gift fica, geralmente, a cargo de Nuno e Sónia, mas no último álbum, “Altar” (capa à esquerda), contou com a colaboração do britânico Brian Eno. É o repertório deste trabalho que a banda apresenta na atual turnê pelo Brasil. “É um show vibrante porque conseguimos tocar músicas de 1998 a 2017, com uma coerência estética que muito nos satisfaz”, diz John.

A banda considera “Altar” o álbum da vida de cada integrante. “Ter sido co-composto, produzido, tocado e cantado por Brian Eno já leva essa frase a fazer sentido, mas a verdade é que, depois de 20 anos, poder ter um disco que, mantendo uma linha estética nossa, consegue ter momentos de total reinvenção, é algo marcante na nossa carreira”, justifica o baixista. A faixa “Love Without Violins”, que tem a participação de Brian Eno no refrão, é uma das mais emblemáticas do CD.

“Todos achamos esteticamente desafiante, com uma letra muito diferente do habitual das nossas canções”, diz John. Já “Lost and Found” é a predileta do baixista. “Uma composição que aparece totalmente de um rasgo do Nuno, já nos últimos dias de estúdio”, comenta.

Assista aos vídeos da banda

"Big Fish" - https://youtu.be/zQt9eB8oOEE
"Love Without Violins" - https://youtu.be/dx76zqb-XeA
"Clinic Hope" - https://youtu.be/m4k6nOwwOrw
 


0 Comentário(s)

Seja o primeiro a comentar.