Um sábado diferente para as crianças da Comunidade do Brejo

Com trenzinho, café da manhã e muitas brincadeiras, a diversão dos meninos carentes é garantida até às 16h

    • ACidadeON/Ribeirao
    • Da reportagem
Milena Aurea / A Cidade
A turminha animada chegou ao Parque Maurílio Biagi de trenzinho às 9h (Foto: Milena Aurea/ A Cidade)

 

Um sábado diferente, cercado de verde, brincadeiras, comidas gostosas e atenção. Assim foi o dia de 50 crianças da Comunidade do Brejo, na Vila Mariana, zona Norte de Ribeirão Preto.

A turminha animada chegou ao Parque Maurílio Biagi de trenzinho às 9h e, depois de um café com bolos, sanduiches, frutas, sucos e bolachas, as brincadeiras começaram.

GALERIA DE IMAGENS
VEJA MAIS FOTOS DA AÇÃO SOLIDÁRIA

Separadas em grupos por faixa etária, as crianças - acompanhadas por monitores - se divertiram com diversas brincadeiras. A atividade está prevista para terminar às 16h. Miguel, 9 anos, levou a sério a disputa da queimada e não deixava o time “Falcão Vermelho” perder nenhum lance.

Enquanto os mais velhos se dividiam em duas equipes, uma vermelha e a outra verde, as crianças mais novas recebiam todo carinho e atenção nas mesinhas para desenhos e pinturas faciais montadas especialmente para elas.

Os 18 monitores deste sábado são voluntários ou parceiros da Comunidade Espírita Saga de Cristo, que há anos realiza ações sociais dentro da favela do Brejo.

Rosangela Sanches, 54 anos, é fundadora da Comunidade Espírita e explica que, além do sentimento de dever cumprido, promover um dia de brincadeiras longe do ambiente - muitas vezes hostil - da favela amplia a visão de mundo e aumenta a autoestima das crianças.

“É uma grande responsabilidade trazê-los ao parque, mas acredito muito no poder de sociabilidade e de trabalho em equipe, como no caso da gincana promovida, que este passeio pode ter”.

Como quem aprova a iniciativa, Marcos, 6 anos, acompanhava tudo atentamente. Entre uma brincadeira e outra, enquanto participava da pintura, sorria e fazia sinal positivo com a mão.

E, em seu linguajar de criança, confirmava a diversão: “está da hora”, dizia o garoto animado.

Colaboração: Marina Marzola
 


0 Comentário(s)

Seja o primeiro a comentar.